Voltar à janela anterior
Legislatura de 1973/1976


João da Costa Mafra (Presidente 1967/1968)
Ana Felícia Proveti
Antônio de Medeiros
Sebastião Machado Filho
Sebastião Miranda de Rezende
João Mateus do Nascimento
Milton Damasceno
Lúcio Antônio Thomé
Afonso Gomes
Jovino Guzela de Abreu
João Lopes de Faria
José Rodrigues Câmara
Benevides Porcaro
Antônio Cardoso Dias
Sebastião Theodoro dos Reis

Em 31 de janeiro de 1973, com a posse de Moacyr de Mattos e Grimaldo de Barros Paula, ocorre uma grande reviravolta na política caratinguense, com a derrota do tradicional Partido Político, o Ex- PSD. A Ex-UDN, com Moacyr de Mattos obteve 13.485 votos contra o candidato do Ex-PSD, Milton Chagas com 12.973 votos. Ocorreu nesta época uma grande enchente, levando a Câmara Municipal a declarar estado de calamidade pública, pela Lei n 795/73. Dizia o texto:

“Fica declarado estado de calamidade pública no município de Caratinga”.

Considerando que, o imprevisto acontecimento no município de Caratinga,

originado por excessivas chuvas, desabrigou várias famílias, além de ter causado vários prejuízos;

Considerando ainda que, a enchente, no dia de ontem, atingiu principalmente os menos afortunados, os quais se encontram na mais extrema penúria;

Considerando finalmente que, vários cidadãos deste município se acham sem roupas, sem moradias, sem condições para alimentar seus filhos, e além disto sem condições de adquirirem medicamentos;

Considerando que, o Poder Executivo Municipal como também o Poder Legislativo, encontram-se no dever de socorrer a população de Caratinga, nesta hora em que seus filhos passam por tão dura experiência.

A Câmara Municipal de Caratinga, decreta:

Art. 1 - Fica declarado o Estado de Calamidade Pública no Município de Caratinga, pelos acontecimentos verificados no dia 24 de março de 1.973.

Art. 2 - Fica o chefe Executivo Municipal autorizado a auxiliar a população deste Município, com a soma de Cr$ 100.000,00 (cem mil cruzeiros).

Art. 3 - Para este fim, fica o chefe do Executivo Municipal autorizado a abrir um crédito extraordinário na importância de Cr$ 100.000,00 (cem mil cruzeiros).

Art. 4 - Esta lei entrará em vigor no dia 25 de março de 1.973, revogadas as disposições em contrário”.